Faixa Atual

Título

Artista

Atual

NTR CLASSIC HOUR

11:00 11:59

Atual

NTR Classic Hour

11:00 11:59

Atual

NTR CLASSIC HOUR

11:00 11:59

Atual

NTR Classic Hour

11:00 11:59

Background

"ALKANTARA FESTIVAL" 13 A 29 NOVEMBRO

Escrito por em Novembro 13, 2020

CENTRO CULTURAL DE BELÉM · CULTURGEST · SÃO LUIZ TEATRO MUNICIPAL · TBA NO LUX · TEATRO NACIONAL D. MARIA II



O Alkantara Festival apresenta o programa da edição de 2020, que de 13 a 29 de novembro traz às salas lisboetas 20 espetáculos e projetos artísticos, nove destes em estreia absoluta, e recebe online o Fórum Cultura.

Dança, teatro, performance, conversas e debates constituem a programação da edição de 2020 do Festival Internacional de Artes Performativas, que em novembro inaugura um ciclo anual e reúne em Lisboa duas dezenas de artistas de várias proveniências disciplinares e culturais.

O Alkantara apresenta-se como espaço de encontro, partilha e discussão pública e, entre edições, as questões, projetos e práticas abordadas no festival serão aprofundadas em residências artísticas, workshops e encontros públicos, programados maioritariamente no Espaço Alkantara. A direção artística do projeto, formada por Carla Nobre Sousa e David Cabecinha, pretende desta forma acompanhar os trabalhos artísticos de forma duradoura e dar continuidade às discussões que esta edição vai permitir partilhar com o público.
No programa do Alkantara Festival 2020 vão estar em destaque projetos que contribuem para reflexões sobre a crise ambiental, que contrariam a invisibilização de identidades marginalizadas ou que investigam sobre a capacidade de construção e reinvenção de sentidos em cena.

Em estreia absoluta serão apresentados os espetáculos: Heading Against the Wall, de Cão Solteiro & André Godinho, que explora a possibilidade de fazer teatro fora do teatro e será apresentado em duas versões, para ver em casa ou ao vivo no TBA no Lux; Still Dance for Nothing (2020), criado pela coreógrafa Eszter Salamon em colaboração com a bailarina Vânia Doutel VazTafukt, que marca o regresso ao Alkantara do coreógrafo de origem marroquina Radouan MrizigaSexta-feira: O fim do mundo… Ou então não, o quinto capítulo do projeto “Sete Anos Sete Peças” da coreógrafa Cláudia DiasGrinding The Wind, um trabalho da artista palestiniana Dina Mimi com comissariado de The Consortium Comissions – uma iniciativa de Mophradat para promover artistas do mundo árabe; e The Anger! The Fury!, que procura uma mistura radical de otimismo alimentado pela raiva de querer mudar o mundo, da coreógrafa e dramaturga Sónia Baptista.

Ao longo do festival, no São Luiz Teatro Municipal, será possível descobrir e acompanhar a rede Terra Batida, proposta por Marta Lança e Rita Natálio, através de um conjunto de atividades com entrada livre. No âmbito desta rede serão apresentadas pesquisas, conversas e debates, com propostas de Ana Rita TeodoroMaria Lúcia Cruz CorreiaSílvia das FadasVera Mantero e, também em estreia absoluta, as performances Superintensiva de Marta LançaRasante de Joana Levi e Fóssil de Rita Natálio. A rede Terra Batida junta pessoas, práticas e saberes em disputa com formas de violência ecológica e políticas de abandono, envolve residências em vários locais do país, o lançamento de publicações e projetos artísticos com apresentação inédita no Alkantara Festival.

Em estreia nacional serão apresentados quatro espetáculos: Farci.e, de Sorour Darabi, artista de origem Iraniana, que encontra na dança uma forma de resistir à violência da língua que obriga a definir e separar o masculino e o feminino; CUTLASS SPRING que traz pela primeira vez a Portugal a coreógrafa canadiana Dana Michel, que prossegue a procura por compreender o mistério em que se tornou a sua identidade sexual; Histoire(s) du Théâtre II, do coreógrafo congolês Faustin Linyekula, que em 2016 foi Artista na Cidade de Lisboa e volta a subir ao grande palco da Culturgest; e L’Homme rare de Nadia Beugré, uma coreógrafa nascida na Costa do Marfim, que cria uma coreografia para cinco homens que parte de movimentos considerados femininos para confundir as nossas perceções de género.

O programa do Alkantara Festival 2020 acolhe ainda a antestreia de Glottis no Centro Cultural de Belém, uma espécie de concerto dançado da coreógrafa Flora Détraz, em que três figuras fantásticas comunicam com o desconhecido. O Teatro Nacional D. Maria II recebe também Coreografia, o mais recente trabalho de João dos Santos Martinsque traduz a procura do coreógrafo para construir uma dança que é um texto e escrever um texto que é uma dança.

Além do programa de espetáculos, no festival realizam-se duas sessões do Fórum Cultura, um espaço para discutir temas chave para o desenvolvimento profissional do meio artístico, organizado em parceira com o Polo Cultural das Gaivotas | Boavista/Loja Lisboa Cultura, no âmbito do programa PISTA. O primeiro encontro acontece no dia 16 de novembro, às 15h, será dedicado à Representatividade Negra nas Artes Performativas: Significados, Limites e Políticas de Ação Afirmativa e conta com a moderação da investigadora Raquel Lima. O segundo encontro realiza-se a 21 de novembro, às 15h, e terá por tema A coprodução nos bons e maus momentos e moderação da gestora cultural Vânia Rodrigues. Estas edições do Fórum Cultura, serão de participação livre, com transmissão online.

A partir de 13 de outubro, é possível adquirir o Cartão Alkantara que oferece descontos especiais na aquisição de bilhetes. O valor do cartão é de 10 euros, que revertem na totalidade para o Fundo de Solidariedade com a Cultura. O cartão pode ser adquirido até 12 de novembro em alkantara.bol.pt e utilizado antes e durante o festival para a compra de bilhetes online ou nas bilheteiras dos teatros. Cada cartão permite comprar um bilhete por espetáculo com desconto de 30% no CCB e de 50% na Culturgest, TBA no Lux, São Luiz Teatro Municipal e Teatro Nacional D. Maria II.

Na programação do Alkantara Festival, dirigida pela primeira vez por Carla Nobre Sousa e David Cabecinha, estarão em destaque projetos artísticos que contribuem para reflexões sobre a crise ambiental, que contrariam a invisibilização de identidades marginalizadas ou que investigam sobre a capacidade de construção e reinvenção de sentidos em cena. “Num momento em que se tornam ainda mais evidentes fragilidades e incertezas quanto ao presente e ao futuro, estas questões são tão relevantes hoje como no início do ano”, destaca Carla Nobre Sousa.

No Alkantara Festival de 2020 serão apresentados 14 espetáculos. Face ao contexto atual, o programa está a ser trabalhado de forma a garantir condições de estreia para alguns projetos internacionais que viram os seus processos interrompidos ou cancelados. Aos espetáculos junta-se um ciclo de performances, conversas e debates com a participação de pessoas que se dedicam à investigação académica, dirigentes associativos, ativistas e artistas.

A edição de 2020 inaugura um novo ciclo em que o Alkantara Festival passa a acontecer anualmente em novembro. “O formato anual propõe acompanhar os trabalhos artísticos de forma mais duradoura. Na edição de 2021, por exemplo, vamos querer ver novos projetos e também projetos de artistas que este ano só podem estar no programa online e continuar discussões em torno de pesquisas que este ano mostram os seus primeiros objetos”, sustenta David Cabecinha.

Entre edições, o programa do Alkantara contará com residências artísticas, workshops e encontros públicos, maioritariamente no Espaço Alkantara, para aprofundar a relação com projetos, práticas e questões abordadas no festival.

Os espetáculos e momentos presenciais do Alkantara Festival 2020 acontecem no Centro Cultural de Belém, Culturgest, Teatro Nacional Dona Maria II, Teatro do Bairro Alto e São Luiz Teatro Municipal, equipamentos culturais que se associam à coprodução do evento e no Espaço Alkantara”.

Direção artística: David Cabecinha, Carla Nobre Sousa



O Alkantara Festival apresenta em Lisboa, desde 2006, um programa experimental de dança, teatro, performances, conversas, concertos e outras atividades, contribuindo para a reflexão sobre práticas artísticas e a sua relação com questões das sociedades contemporâneas.
É um importante lugar de encontro para profissionais das artes performativas e promove a internacionalização da comunidade artística portuguesa, através da coprodução e apresentação de artistas de diferentes gerações, nacionais ou que desenvolvem a sua atividade a partir de Portugal.

Até 2018, o Alkantara Festival realizou-se com periodicidade bianual e habitualmente no mês de maio. Em 2020, ano em que se completam 27 anos de história do Danças na Cidade (1993-2004), festival fundado pela bailarina Mónica Lapa (1965-2001) e que antecedeu o Alkantara, o projeto passa a ser anual e a acontecer em novembro. O reforço da regularidade visa potenciar o envolvimento do projeto com artistas, organizações parceiras e públicos, capacitando a sua participação na discussão pública, na produção de conhecimento e no próprio tecido cultural da cidade de Lisboa.

Alkantara é uma associação cultural sem fins lucrativos, com atividade reconhecida de interesse público, centrada na promoção e desenvolvimento de projetos na área das artes performativas.

Organiza o Alkantara Festival, produz o projeto Sete Anos Sete Peças da coreógrafa Cláudia Dias, gere e programa o Espaço Alkantara desde 2007, edifício histórico em Santos, do município de Lisboa, onde a associação também se encontra sediada. No Espaço Alkantara acolhe residências artísticas, projetos e iniciativas de estruturas pares, promove formações para profissionais da cultura, apresenta espetáculos e diversas atividades que sustentam um programa continuado de pesquisa e investigação artísticas.

Dentro ou fora de portas, a Associação Alkantara coproduz e programa em diálogo com uma rede alargada de parceiros, que atuam em contextos nacional e internacional, sustenta práticas artísticas e de governação interdependentes, e institui-se uma organização cultural atenta, ativa e participante nas sociedades.

A Associação Alkantara é financiada pela República Portuguesa/Cultura — Direção Geral das Artes e pela Câmara Municipal de Lisboa.

  • Alkantara
    Espaço Alkantara Calçada Marquês de Abrantes, 99
    LISBOA
Marcado como

Continue lendo