Faixa Atual

Título

Artista

Atual

NTR BY MORNING

08:00 10:59

Atual

NTR by Morning

08:00 10:59

Atual

NTR BY MORNING

08:00 10:59

Atual

NTR by Morning

08:00 10:59

Background

"AS CORES DOS AUTORES" EMISSÃO 26-23 JUNHO'14.30/16.30H' "SER FADO" TELMO PIRES. UM FADISTA QUE DANÇA PORQUE SENTE O FADO NA VOZ E NA ALMA.

Escrito por em Junho 22, 2018

AS CORES DOS AUTORES.

Na tela da Rádio, Histórias, Conversas, Percursos, Ideias, Confidencias, Sensibilidades. Esculpindo Memórias. Em Estampa, sonora.
Produz e Realiza JORGE GASPAR.
Emissão 26 – 23 Junho – 14.30/16.30h
Na Emissão de hoje  TELMO PIRES,  poeta, compositor e um dos poucos homens no panorama international do fado. E a propósito do seu ultimo trabalho “SER FADO”.
 


 
Imagine um fadista que interpreta, sente e dança. Interpreta com a mesma lucidez de Carlos do Carmo; sente profundamente como Variações; e dança com a mesma exaltação de Cortés.
Um fadista que dança? Sim… Telmo Pires dança quando canta porque sente o fado na alma, na voz, no corpo e em cada centímetro quadrado da sua pele. Este é o performer que lhe queremos apresentar.
Capaz de embalar os sentidos mais despertos, ou de acordar as atenções mais distraídas, Telmo tem reunido consenso nos seus concertos, em salas um pouco por todo o mundo, ao sentar na mesma plateia adeptos e desconhecedores de fado, rendidos a uma genuína e surpreendente intensidade fadista.
A poesia surge sempre no limite. A memória cede e o silêncio é subitamente ensurdecedor numa voz que se ergue para dizer “futuro”. Melodias do tempo a fazer de si próprias o destino… A palavra que se define no gesto que grita. O ato mais simples por onde dança um corpo à deriva. Assim é a arte de Telmo Pires, nos lábios que murmuram saudade.
Na nudez que procura o sagrado, nada mais do que isto é a vida.
O fado nasce em Portugal mas espalha-se pelo mundo em vozes de embaixadores que se curvam perante plateias de pé. Telmo Pires é um desses casos, com a diferença de quem se afirma em contra corrente minimal.
 

 
“Ser Fado”
O fadista, poeta e compositor Telmo Pires editou, em Fevereiro de 2016, o quinto álbum da carreira, “Ser Fado”, disco em que cristaliza, de forma madura e coerente, a sua ideia muito própria de fado.
Um fado que nele, e em contracorrente com algum do fado que se cria agora, está cada vez mais próximo das origens, das raízes, da tradição.
Um fado que vive essencialmente da voz, da guitarra portuguesa e da viola, que congrega alguns dos grandes clássicos do género – o Fado Vianinha de Francisco Viana, o Alfacinha de Jaime Santos, o Triplicado de José Marques ou o Versículo e o Bailado do enorme Alfredo Marceneiro, com letras originais de Telmo Pires, Nuno Miguel Guedes e Daniel Lourenço – mas que também se abre, por vezes, a outros instrumentos e a fados não tradicionais compostos por outros instrumentos e a fados não tradicionais compostos por Custódio Castelo, Davide Zaccaria ou o revolucionário Alain Oulman, que abriu novos e aventurosos caminhos a Amália e ao fado.
Aqui, em “Ser Fado”, Telmo Pires canta dele “As Mãos que Trago” e “Mal Aventurado”.
Destaques do álbum são também uma versão alternativa do clássico “Rosinha dos Limões” – o “Marujo Português”, de Linhares Barbosa e Artur Ribeiro – e um inédito absoluto com música e letra originais de António Variações, “Ao Passar por Braga Abaixo”.
 

 
Onze Fados… E um Inédito de António Variações.


Continue lendo