Faixa Atual

Título

Artista

Atual

NTR CLASSIC HOUR

11:00 11:59

Atual

NTR Classic Hour

11:00 11:59

Atual

NTR CLASSIC HOUR

11:00 11:59

Atual

NTR Classic Hour

11:00 11:59

Background

CASA DA MÚSICA

Escrito por em Fevereiro 28, 2021

28 FEVEREIRO 17:00 UTC – 18:30 UTC

Transmissão online · Orquestra Sinfónica · Stravinski

MICHAEL SANDERLING direcção musical

IGOR STRAVINSKI Suite de O Pássaro de Fogo

Uma obra essencial do repertório das grandes orquestras, O Pássaro de Fogo foi o bailado que catapultou para a fama um jovem de 27 anos chamado Igor Stravinski, numa produção revolucionária apresentada em Paris, no ano de 1910. A suite interpretada neste concerto reúne alguns dos momentos mais marcantes da narrativa, recheada de magia, feitiçaria e dança. O maestro é Michael Sanderling, aclamado pelo seu estilo elegante e cativante e com uma intensa carreira à frente das orquestras mais conceituadas do mundo.

 

 

1. Introdução – Dança do Pássaro de Fogo – Variação do Pássaro de Fogo

2. Dança de roda das Princesas

3. Dança infernal do rei Kastchei –

4. Berceuse –

5. Finale

 

O enredo do Pássaro de Fogo baseia-se em dois contos populares russos, o do “Bom Pássaro de Fogo” e o do “Imortal Feiticeiro Kastchei”. O Pássaro de fogo vive nos jardins do feiticeiro Kastchei. O príncipe Ivan captura este pássaro numa jornada de caça. O Pássaro implora-lhe que o liberte e o príncipe acede, deixando-o partir. Como agradecimento o Príncipe recebe uma pena do Pássaro de fogo, uma pena que possui forças mágicas. No jardim do feiticeiro Kastchei vivem aprisionadas 13 princesas virgens, entre as quais uma que o príncipe Ivan ama perdidamente. Assim que Ivan toca na porta de entrada do jardim ouve-se um sino e Kastchei aparece acompanhado dos seus demónios para matar o príncipe. Só que a pena mágica que este leva consigo protege-o. Aparece então o Pássaro de fogo que, com uma música de encantar, obriga os demónios a dançar. De seguida o Pássaro entoa uma canção de embalar que adormece Kastchei e os seus súbditos. Conduzindo o príncipe a uma gruta, mostra-lhe um ovo, dentro do qual vive a alma de Kastchei. Ivan destrói este ovo, o feiticeiro morre, o seu reino demoníaco desaparece e as 13 princesas recuperam a liberdade.

Para a composição musical deste bailado Diaguilev pensou originariamente em Anatoli Liadow, que porém não se decidia claramente a aceitar a encomenda. Diaguilev apostou então num jovem e praticamente desconhecido compositor de 27 anos de idade: Igor Stravinski. Este aproveitou a ocasião da melhor maneira, tornando-se famoso dum dia para o outro e revelando não só uma maestria musical insuperável, como também um instinto teatral fulminante – O Pássaro de Fogo permanece hoje ainda a sua obra de maior sucesso e difusão. Sobre um libreto e cenário de Michel Fokine, com Nitchinski no papel de Pássaro de Fogo, Stravinski compôs uma partitura de inigualável brilho e colorido orquestrais, de sentido dramático envolvente e de elevado grau de virtuosismo instrumental, alargando as fronteiras da orquestra sinfónica a horizontes nunca dantes navegados. Do ponto de vista compositivo, serviu-se dum simples artifício usado pelo seu professor Rinski-Korsakoff na ópera O Galo de Ouro (1907): às personagens humanas associam-se caracteres musicais diatónicos; aos seres fantásticos caracteres cromáticos. Ao mundo ‘diatónico’ pertencem melodias populares russas, como a do Cortejo das Princesas, ou o hino conclusivo do Finale. O universo encantado de Kastchei apresenta-se sobretudo em inúmeras variações do intervalo ‘diabólico’ de trítono, seja na furiosa Dança infernal, como na misteriosa Introdução. Do bailado O Pássaro de Fogo, Stravinski extrairia outras duas Suites para orquestra (1911 e 1945), o que manifesta a riqueza exuberante da partitura original, uma das obras fundamentais da música europeia do início do século XX.

(Paulo de Assis)


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Continue lendo