Faixa Atual

Título

Artista

Atual

NTR BY MORNING

08:00 10:59

Atual

NTR by Morning

08:00 10:59

Atual

NTR BY MORNING

08:00 10:59

Atual

NTR by Morning

08:00 10:59

Background

MEMÓRIAS DE UMA FALSIFICADORA

Escrito por em Abril 15, 2021

quarta a segunda, 19h (disponível até às 24h)

saoluiz.bol.pt
A PARTIR DO LIVRO DE Margarida Tengarrinha DIREÇÃO E ADAPTAÇÃO Joaquim Horta INTERPRETAÇÃO Catarina Requeijo DESENHO DE LUZ E VÍDEO Miguel Manso COPRODUÇÃO Horta – produtos culturais, Truta, Museu do Aljube e São Luiz Teatro Municipal
Joaquim Horta adapta ao teatro o livro de Margarida Tengarrinha Memórias de Uma Falsificadora – A Luta na Clandestinidade pela Liberdade em Portugal, que conta como a autora usou a sua habilidade de artista plástica e estudante de Belas Artes ao serviço da falsificação de documentos, garantindo o trabalho dos resistentes à ditadura de Salazar. O espetáculo faz parte de um ciclo sobre o quotidiano iniciado por Joaquim Horta, em 2016, com a peça Amorzinho, adaptação da correspondência entre um casal anónimo, Maria de Lourdes e Alfredo, de 1934 a 1943, e testemunho único e real da vida dos portugueses comuns nesses anos. A vontade de adaptar Memórias de Uma Falsificadora parte de uma frase escrita por Margarida Tengarrinha no seu livro: “Quando leio relatos de vários camaradas, que já foram publicados, constato que falam de factos políticos importantes, momentos altos e heróicos da luta, mas nunca abordam estas questões do quotidiano que nós, mulheres, vivemos pacientemente. Será que foi menos heróico aquele nosso dia-a-dia desgastante e obscuro?” É pensando num retrato do quotidiano no período entre 1948 a 1974 que o ator e encenador parte para este novo espetáculo, usando as palavras e ideias de Margarida Tengarrinha, que nasceu em Portimão em 1928 e estudou Belas Artes em Lisboa, onde conheceu aquele que haveria de ser o seu companheiro e pai das duas filhas, o pintor José Dias Coelho, membro destacado do Partido Comunista Português. Com ele, trocou uma vida confortável de filha da burguesia pela vida difícil da clandestinidade. A seguir ao 25 de Abril de 1974, foi deputada do PCP, eleita pelo Algarve. Em 2014, pelo seu percurso na área cultural e na defesa dos direitos das mulheres, tornou-se a primeira distinguida com o Prémio Maria Veleda.

 

 

CONVERSA COM MARGARIDA TENGARRINHA
Museu do Aljube
22 abril
quinta, 18h30

RASCUNHOS – MEMÓRIAS DE UMA FALSIFICADORA
Museu do Aljube
26 a 28 e 30 abril
segunda a quarta e sexta, 19h


Opnião dos Leitores

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Continue lendo