Faixa Atual

Título

Artista

Atual

NTR BY MORNING

08:00 10:59

Atual

NTR by Morning

08:00 10:59

Atual

NTR BY MORNING

08:00 10:59

Atual

NTR by Morning

08:00 10:59

Background

RECORDANDO "SOPHIA DE MELLO BREYNER ANDRESEN" NASCEU 6 NOVEMBRO 1919

Escrito por em Novembro 6, 2020

Hoje é dia de recordar Sophia de Mello Breyner, escritora de origem dinamarquesa, cujo bisavô desembarcou um dia no Porto e nunca mais abandonou a região, tendo o seu filho comprado, em 1895, a Quinta do Campo Alegre, hoje Jardim Botânico do Porto.

Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto, a 6 de novembro de 1919. Foi uma das mais importantes poetisas lusas do século XX e a primeira a receber o mais importante galardão literário da língua portuguesa: o Prémio Camões, em 1999.

Criada na velha aristocracia portuense, Sofia de Melo Breyner foi educada com valores tradicionais cristãos, tornando-se dirigente de movimentos universitários católicos, numa altura em que a poesia já fazia parte da sua vida.

Viria a tornar-se num dos símbolos de uma atitude política liberal, apoiando o movimento monárquico e denunciando o regime salazarista e os seus seguidores.

Em 1946, casa com Francisco Sousa Tavares, jornalista, político e advogado, sendo mãe de cinco filhos: uma professora universitária de Letras, um jornalista e escritor de renome (Miguel Sousa Tavares), um pintor e ceramista e uma terapeuta.

E foram precisamente os filhos que motivaram Sophia a escrever contos infantis. Recebe o Grande Prémio de Poesia, da Sociedade Portuguesa de Escritores, em 1964, pelo ‘Livro Sexto’.

Mas Sophia de Mello Breyner Andresen manteve sempre uma atividade cívica intensa, que cruza a ditadura, até ao 25 de Abril. Com a Liberdade, é eleita para a Assembleia Constituinte, em 1975, pelo círculo do Porto.

Foi também tradutora de Dante Alighieri e de Shakespeare e membro da Academia das Ciências de Lisboa. Distinguiu-se com contos e com diversos livros infantis: ‘A Menina do Mar’, ‘O Cavaleiro da Dinamarca’, ‘A Floresta’, ‘O Rapaz de Bronze’, ‘A Fada Oriana’, entre outros.

Além do reconhecimento dos leitores, recebeu diversas distinções, das quais se destaca o Prémio Camões, em 1999, e o Prémio Rainha Sofia, quatro anos mais tarde.

Sofia de Mello Breyner faleceu, aos 84 anos, a 2 de julho de 2004, no Hospital da Cruz Vermelha, em Lisboa. Hoje, a sua memória é homenageada.


Continue lendo